Há 8 anos, no Verão de 2012, um jovem suíço quase desconhecido abalou as  livrarias francesas com um thriller de 700 páginas. A crítica e a imprensa mundial renderam-se àquele jovem prodígio que um pequeno editor octogenário francês tinha publicado. Um caso único do qual temos memória no mundo editorial: um jovem de 25 anos que é admirado pela crítica mais exigente, vencedor dos mais prestigiados prémios literários e lido por 9 milhões de leitores, de todos os géneros e idades.

«O enigma do quarto 622 é um romance muito especial para mim: sem dúvida, o mais pessoal, e talvez o mais ambicioso. É um romance policial, mas também uma homenagem ao meu editor, Bernard de Fallaois. É também a primeira vez que a história decorre na Suíça, especificamente em Genebra, onde vivo. Não é fácil transformar em ficção o lugar onde vivemos diariamente. » Joël Dicker

Sobre O enigma do quarto 622:

«Um policial intrigante. Pela primeira vez, o escritor entra em cena e ambienta a narração na Suíça onde nasceu. Uma pepita literária a descobrir com urgência. Como nos anteriores romances, o autor agarra-nos logo nas primeiras páginas. Joël Dicker joga com as nossas emoções e cria uma história que nos tira o fôlego até à última página. Graças a este sábio equilíbrio entre mistério e revelações, Joël Dicker entrega mais uma vez um muito bom romance.» Cosmopolitan

«Todas as hipóteses, até as mais loucas, são permitidas. A alquimia perfeita de um page turner criada pelo escritor suíço de imaginação transbordante.» L’apostrophée

«Uma intriga de várias camadas, construída sobre três planos narrativos, que se encaixam como bonecas russas. (…) À medida que a narrativa avança o mistério adensa-se, o ritmo acelera. E a intriga torna-se palpitante. Assim que o mistério das personagens é revelado, podemos afirmar que Joël Dicker é magistral no seu género. Um sucesso garantido.» 24 Heures

«Mais um thriller vertiginoso. Como é o novo Joël Dicker? Como de costume. Uma vez aberto o livro, mergulhamos dentro dele como numa série. Ligações secretas, encontros frustrados, golpes baixos, vidas paralelas… As mentiras explodem como pipocas. O mistério crepita em cada página.» The World News

Chegou a Portugal pelas mãos da Penguim Random House